Atualizações ao vivo: a guerra da Rússia na Ucrânia

Um diplomata russo sugeriu que seu país pode abandonar um acordo que permitiria a exportação de grãos da Ucrânia através do Mar Negro. De acordo com a Reuters.

“Exportações de grãos e fertilizantes russos – se nada acontecer do lado russo do acordo, desculpem-nos, teremos que olhar de outra forma”, disse à Reuters Gennady Kadilov, embaixador da Rússia na ONU em Genebra.

Questionado na quinta-feira se a Rússia desistiria de renovar o acordo, Katilov disse: “Há uma possibilidade… Não somos contra a entrega de grãos, mas este acordo deve ser justo, deve ser implementado de forma justa e equitativa por todas as partes. .”

Em julho, a ONU e Turquia Fez um grande negócio Entre a Ucrânia e a Rússia, eles prometeram bloquear os portos do Mar Negro para a passagem segura de grãos e oleaginosas.

No entanto, Moscou reduziu sua contribuição para a iniciativa no início deste mês. Na carta, obtida pela CNN, a Rússia disse que reduziria o número de equipes de inspeção empregadas nos portos turcos onde os navios de grãos são inspecionados. A carta também afirmava que os inspetores terminariam seu dia de trabalho mais cedo, já que atualmente não era fornecido nenhum subsídio de almoço.

Um navio de grãos espera no porto de Odessa, na Ucrânia, em 29 de julho.

Desde julho, os navios que transportam grãos dos portos ucranianos têm permissão para uma passagem segura pelo Mar Negro – encerrando um bloqueio russo de cinco meses.

READ  Sweetgreen (SG) atende às estimativas de ganhos do segundo trimestre de 2022

O acordo termina no final de novembro.

Questionado na quinta-feira sobre a possível retirada da Rússia, o porta-voz do secretário-geral da ONU, Stephane Dujarric, disse que era “importante para o mundo” e que havia bons sinais emergindo de uma reunião entre o presidente russo, Vladimir Putin. Putin e o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

“Estamos tentando obter um pouco mais de detalhes e vamos acompanhar isso”, disse Dujarric.

Victoria Budenko e Andrew Carey, da CNN, em Kiev, contribuíram com reportagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.