Biden, líderes mundiais, participam do funeral da rainha

LONDRES – O imperador japonês, que vive luxuosamente no Palácio Imperial de Tóquio, pegará um ônibus lotado para o funeral da rainha Elizabeth na segunda-feira.

Mas enquanto o imperador Naruhito e a imperatriz Masako estavam felizes com o transporte comunitário, alguns outros líderes mundiais não estavam, principalmente o presidente Biden e alguns outros selecionados que chegariam em seus próprios veículos blindados.

“Todos eles adorariam ter seu próprio carro”, disse um cansado funcionário do governo britânico, uma das centenas que trabalham no funeral da rainha.

Descansar a mulher mais famosa do mundo tornou-se um grande desafio diplomático. Membros das 23 famílias reais se sentarão nas primeiras filas da Abadia de Westminster, à frente do presidente Biden e cerca de 90 outros presidentes e primeiros-ministros, de acordo com o protocolo.

Chefes de quase 200 países e territórios que voam para Londres foram fortemente encorajados a fazer voos comerciais, pois a pandemia de coronavírus complica o agendamento de slots de pouso simultâneos em aeroportos que ainda estão com falta de pessoal. Mas muitos jatos particulares vêm de qualquer maneira.

Intensas negociações estão ocorrendo nos bastidores em uma área chamada “The Hangar” no Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido. Centenas de pessoas estão atendendo aos pedidos de cerca de 500 dignitários estrangeiros presentes no funeral.

As escaramuças diplomáticas já aconteceram. Lindsay Hoyle, presidente da Câmara dos Comuns, proibiu esta semana a delegação chinesa de comparecer à exibição pública do caixão da rainha no Westminster Hall.

Hoyle citou a decisão da China de se recusar a permitir que alguns políticos britânicos viajem para a China por causa de suas críticas ao tratamento de Pequim à minoria muçulmana uigure.

READ  SpaceX lança 46 satélites Starlink, pousando o foguete no oceano

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China respondeu bruscamente: “Como anfitrião, o lado britânico deve manter a etiqueta diplomática e a hospitalidade”.

A delegação chinesa é chefiada pelo vice-presidente Wang Qishan. O presidente Xi Jinping foi convidado, mas recusou.

Quase todos os países ou territórios com relações diplomáticas com a Grã-Bretanha foram convidados. Alguns, incluindo Rússia, Bielorrússia e Mianmar, não entraram na lista por causa da guerra na Ucrânia e dos abusos dos direitos humanos. Um punhado de países, incluindo Irã, Coreia do Norte e Nicarágua, foram convidados a enviar um embaixador, mas não seu chefe de Estado.

O convite inclui uma recepção do rei Carlos III no Palácio de Buckingham na noite de domingo e outra recepção imediatamente após o funeral.

Olena Zelenska, esposa do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, comparecerá, mas seu marido não deverá comparecer.

Autoridades britânicas disseram que não está claro se o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman comparecerá. Autoridades de inteligência dos EUA disseram que o MBS estava por trás do assassinato em 2018 do jornalista Jamal Khashoggi, um escritor colaborador do Washington Post.

A noiva de Khashoggi disse que sua presença seria uma “mancha” na memória da rainha.

A rainha Elizabeth II conheceu pessoalmente muitos dos que compareceram ao seu funeral. Ele viajou para mais de 100 países. Em várias ocasiões encontrou líderes de várias gerações.

Muitos convidados estarão em seus 80 e até 90 anos, e como fazê-los sentar de forma rápida e confortável é planejado em detalhes.

Por exemplo, chegam o rei da Espanha Felipe VI, 54, e a rainha Letizia, 50. Elizabeth conhece os pais do rei, o ex-rei Juan Carlos I, 84, e sua esposa, a ex-rainha Sofia, 83.

READ  Dak Prescott, dos Cowboys, aborda lesão no polegar: 'Espero sair melhor'

Os hóspedes VIP recebem constantemente pedidos especiais. Alguns pediram para trazer seu médico, alguns um assistente pessoal. Alguns solicitaram um quarto privado para descansar.

“Você não pode dar um cobertor ‘não’, mas nove em cada dez vezes é um ‘não'”, disse o funcionário. “Mas queremos que todos saiam com uma boa impressão.”

Uma exceção: tradutores. O vice-presidente da China Wang, o presidente do Brasil Jair Bolsonaro e outros pediram um intérprete porque não falavam inglês. Menos de dez desses pedidos foram atendidos, mas apenas para recepções – não para funerais, onde o espaço seria severamente limitado.

Ter tantos líderes mundiais em um só lugar lhes dá raras oportunidades de falar sem assessores e memorandos, disse Capricia Marshall, ex-chefe de ética dos EUA no governo Obama.

“Eles não têm mais ninguém com quem conversar e se aproveitam disso”, disse Marshall.

Os países normalmente enviam funcionários de baixo escalão para funerais e outros eventos, disse Marshall.

A embaixadora da Grã-Bretanha nos EUA, Karen Pearce, disse acreditar que Biden será o primeiro presidente dos EUA a participar de um funeral de Estado britânico. Winston Churchill e Lyndon B. O último funeral de estado foi realizado em 1965, quando Johnson foi hospitalizado.

Peter Westmacott, ex-embaixador britânico nos Estados Unidos, observou que sempre existe a possibilidade de coisas ruins acontecerem entre líderes com fortes diferenças pessoais ou nacionais. Mas ele disse que a morte da rainha causou uma “explosão da civilização”.

Ele citou o presidente francês Macron, que tem muitas diferenças com o Reino Unido sobre o Brexit, a saída do Reino Unido da Europa e desentendimentos pessoais com a nova primeira-ministra Liz Truss e seu antecessor Boris Johnson.

READ  A Aurora Pro Services foi acusada de demitir dois trabalhadores por não participarem dos círculos de oração, diz o Fed.

“Ele é louco por Liz Truss e Boris Johnson”, disse Westmacott. “Mas veja as coisas boas que ele diz sobre a rainha e a relação entre a Grã-Bretanha e a França.”

No final, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan se recusou a vir depois de ser informado de que não poderia ter seu próprio carro presidencial – com exceções à regra concedida apenas a Biden, ao presidente israelense Isaac Herzog e um casal.

“Essa ligação foi feita por motivos de segurança. Não tem nada a ver com relações especiais ou política”, disse a autoridade britânica.

Quando os britânicos recusaram o pedido de Erdogan, ele decidiu enviar seu ministro das Relações Exteriores.

Para muitos britânicos, princesas mimadas e líderes mundiais entrar no ônibus é divertido.

“Todos os líderes mundiais estão em viagem de campo”, disse o comediante britânico Jimmy Carr quando questionado pelo The Washington Post sobre suas opiniões. “Você sabe quem está realmente no comando? O motorista do ônibus é o líder mundial por esses 45 minutos. ‘Meu ônibus, minhas regras! Sente-se atrás. Se dê bem com a Coreia do Norte, Coreia do Sul. Sente-se! atrás? Sente-se!'”

Carr concordou com os especialistas em ética que o horário de ônibus oferece oportunidades.

“Acho que podemos fazer mais naquele ônibus em 40 minutos do que a ONU fez nos últimos 40 anos. Talvez Israel e Palestina se sentam um ao lado do outro em um ônibus e dizem: ‘Sabe, temos muito em comum. O que você trouxe para o almoço Palestina? Húmus? Bem, eu tenho algumas pitas. Vamos fazer isso.'”

Michael Birnbaum em Washington e Lily Guo em Taipei contribuíram para este relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.