Boeing estuda, EUA aprovam plano de retrabalho para retomar entregas de 787

A FAA aprovou a proposta da Boeing. São necessárias inspeções específicas para verificar o estado da aeronave e todos os trabalhos foram concluídos, que devem ser aprovados. Boeing (BA) A empresa retomará as entregas em agosto, após interromper as entregas em maio de 2021, disseram fontes.

Em 17 de julho, a Boeing disse a repórteres que estava “muito perto” de retomar as entregas do 787.

A FAA abordou questões sobre a aprovação da Boeing. “Não comentamos as certificações atuais”, disse a empresa.

A Boeing não confirmou a aprovação na sexta-feira, mas disse que “continuará trabalhando de forma transparente com a FAA e nossos clientes para retomar as entregas de 787”.

A Boeing tem problemas com a produção do 787 há mais de dois anos. Em setembro de 2020, a FAA disse que estava “investigando defeitos de fabricação” em alguns 787 jatos.

Após dois acidentes fatais com o 737 MAX em 2018 e 2019, a FAA prometeu examinar a Boeing mais de perto e dar à Boeing menos responsabilidade pela certificação de aeronaves.

A Boeing suspendeu as entregas do 787 depois que a FAA levantou preocupações sobre seu método de inspeção proposto. A FAA identificou um novo problema e emitiu duas diretivas de aeronavegabilidade em julho de 2021 para resolver problemas de fabricação da aeronave em serviço.

O diretor financeiro da Boeing, Brian West, disse em uma ligação com investidores nesta semana que tem um estoque de 120 787s e está “fazendo progressos na conclusão do retrabalho necessário para prepará-los para a entrega”. A Boeing está “produzindo a um custo muito baixo e continuaremos a fazê-lo até que as entregas sejam retomadas, retornando gradualmente a 5 aeronaves por mês ao longo do tempo”.

A fabricante de aviões retomou as entregas apenas em março de 2021, após um hiato de cinco meses, antes de cessar novamente. A aprovação veio na sexta-feira após longas discussões com a FAA.

READ  A greve das ferrovias americanas foi evitada; Biden chama o acordo de 'vitória para a América'

O regulador disse que a Boeing “tem um programa robusto de retrabalho que requer operações em larga escala no novo armazenamento do 787” e que “os processos de entrega da Boeing são sustentáveis”.

A FAA disse em fevereiro que manteria a autoridade para emitir certificados de aeronavegabilidade até ter certeza de que “o controle de qualidade e os processos de fabricação da Boeing continuam a produzir 787s que atendem aos padrões de design da FAA”.

O então administrador da agência, Steve Dixon, disse à Reuters em fevereiro que a FAA queria da Boeing “uma solução sistemática para seus processos de fabricação”.

Boeing atrasa novo jato devido ao aumento das perdas
Um avião foi construído linhas Aéreas americanas (AAL) Será o primeiro 787 entregue pela Boeing após maio de 2021, disseram as fontes. Pode vir mês que vem. A American Airlines disse em uma teleconferência de resultados na semana passada que espera receber nove 787s este ano, incluindo dois no início de agosto.

Em janeiro, a Boeing divulgou uma cobrança de US$ 3,5 bilhões devido a atrasos na entrega do 787 e concessões de clientes, além de US$ 1 bilhão em custos extraordinários de fabricação causados ​​por defeitos de fabricação e reparos e inspeções relacionados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.