Dezenas de prisioneiros de guerra ucranianos teriam sido mortos no ataque com mísseis

  • Morte de prisioneiros é atribuída ao comércio entre Rússia e Ucrânia
  • Grã-Bretanha diz que a Rússia está implantando um grande número de caças Wagner
  • Ucrânia diz que os navios de grãos foram carregados, mas ainda não têm data de mudança

ODESA/KYIV, 29 de julho (Reuters) – Dezenas de prisioneiros de guerra ucranianos parecem ter sido mortos em um ataque com mísseis nesta sexta-feira, com Moscou e Kiev se acusando mutuamente de realizar o ataque.

O incidente ofuscou os esforços apoiados pela ONU para reiniciar as exportações de grãos da Ucrânia e aliviar a crise global da fome decorrente da guerra, agora em seu sexto mês.

O Ministério da Defesa da Rússia disse que 40 detentos foram mortos e 75 ficaram feridos em um ataque a uma prisão em Olenivka, uma importante cidade em uma parte da província de Donetsk, controlada pelos separatistas.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Agências de notícias russas disseram que acusou Kiev de ser alvo de foguetes HIMARS fabricados nos EUA.

As forças armadas da Ucrânia negaram ter realizado o ataque, culpando as forças russas e dizendo que a artilharia russa tinha como alvo a prisão.

“Dessa forma, os agressores russos perseguiram seus objetivos criminosos – acusar a Ucrânia de cometer ‘crimes de guerra’, bem como encobrir prisioneiros e execuções”, disse o Estado Maior das Forças Armadas Ucranianas.

O Ministério da Defesa russo disse que prisioneiros de guerra ucranianos estavam detidos na prisão e oito funcionários da prisão ficaram feridos. O líder separatista pró-Rússia Denis Bushilin teria dito que nenhuma das 193 pessoas detidas lá era estrangeira.

Vídeo divulgado pelo correspondente de guerra russo Andrei Rudenko mostra soldados pró-Rússia vasculhando os restos carbonizados do que ele diz ser uma prisão.

READ  Fontes dizem que Donovan Mitchell ficou "surpreso e desapontado" quando Quinn Snyder deixou o Utah Jazz.

O telhado quebrado do prédio estava pendurado e restos carbonizados de corpos foram vistos.

A Reuters não pôde confirmar de forma independente a cena ou os detalhes do ataque.

Separadamente, um ataque com mísseis russos na cidade de Mykolaiv, no sudeste, um porto fluvial próximo ao Mar Negro, matou pelo menos cinco pessoas e feriu sete, enquanto a Rússia disparava de frentes no leste e sul da Ucrânia.

Um míssil atingiu perto de uma parada de transporte público, disse o governador regional Vitaly Kim em um telegrama.

A Rússia, que nega atacar civis, não comentou imediatamente a situação e a Reuters não pôde verificar os relatórios do campo de batalha.

O governo de Kyiv acusou a Rússia de atrocidades e brutalidade contra civis durante a invasão e diz ter identificado mais de 10.000 crimes de guerra.

A Rússia negou envolvimento em crimes de guerra, acusou Kyiv de encená-los para difamar suas forças e disse que investigaria crimes de guerra ucranianos.

Crenças de grãos

A Rússia e a Ucrânia concordaram na semana passada em proibir as exportações de grãos dos portos do Mar Negro ameaçados por ataques russos desde a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro.

O acordo foi o primeiro avanço diplomático no conflito e os preços do trigo na Ásia caíram nesta semana devido às expectativas de maior oferta.

Mas a luta feroz torna mais perigoso.

A Ucrânia está pronta para enviar grãos de dois portos sob um acordo mediado pela ONU, mas nenhuma data foi definida para o primeiro embarque, disse o ministro da Infraestrutura ucraniano, Oleksandr Kubrakov, a repórteres no porto de Odessa, no sul.

READ  Espera-se que o governo Trump chegue a um acordo judicial com Weiselberg

“No total, 17 navios foram carregados antes da guerra. Hoje começamos a carregar outro navio em Chornomorsk. Em princípio, resolvemos quase todas as questões técnicas”, disse ele.

Ele disse esperar que os primeiros navios deixem o porto até o final da semana, enquanto a embaixadora dos EUA na Ucrânia, Bridget Brink, disse esperar que um acordo seja alcançado ainda na sexta-feira para abrir caminho para os primeiros embarques. consulte Mais informação

O chefe-assistente das Nações Unidas, Martin Griffiths, disse na quinta-feira que espera que o organismo mundial dê prioridade aos países pobres, citando a Somália, onde quase um quarto de milhão de pessoas passam fome. consulte Mais informação

Enquanto a escassez de grãos na Ucrânia, um dos maiores exportadores do mundo, alimentou o aumento dos preços dos alimentos em todo o mundo, a escassez de gás na Rússia elevou os preços da energia na Europa e alimentou os temores de escassez no inverno.

O gás russo que flui para a Alemanha através do gasoduto Nord Stream 1 estava com apenas 20% da capacidade na sexta-feira, depois que a Rússia cortou os fluxos pela metade, citando trabalhos de manutenção.

Moscou, que descreve sua invasão da Ucrânia como uma “operação militar especial” realizada em legítima defesa, culpa as sanções ocidentais pelo fornecimento limitado de gás. A Ucrânia e seus aliados dizem que o ataque russo foi completamente espontâneo.

Foco no sul

A atualização de inteligência da Grã-Bretanha sugere que a Rússia ordenou que mercenários mantenham partes da linha de frente na Ucrânia – um sinal de falta de infantaria de combate enquanto Kyiv intensifica uma contra-ofensiva no sul.

Outro sinal de que as forças armadas da Rússia estão sob estresse é a forte dependência de combatentes da empresa militar privada russa Wagner Group para missões de linha de frente, em vez de missões de rotina em operações especiais.

READ  Restaurante flutuante gigante de Hong Kong afunda no mar

“Esta é uma mudança significativa em relação ao trabalho anterior do grupo desde 2015, que normalmente realizava tarefas distintas das operações militares russas convencionais em grande escala”, disse o ministério.

Wagner e o Kremlin não estavam disponíveis para comentar.

Autoridades em Kyiv disseram na quarta-feira que observaram uma “realização maciça” de forças russas no sul, onde autoridades de defesa britânicas acreditam que o 49º Exército da Rússia, estacionado na margem oeste do rio Dnipro, é vulnerável.

Os contra-ataques da Ucrânia no sul ocorrem quando a Rússia luta para controlar toda a região industrializada de Donbass, no leste, que inclui as províncias de Donetsk e Luhansk.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatório do Reuters Bureau; Por Stephen Coates e Philippa Fletcher; Edição por Lincoln Feast e Angus MacSwan

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.