Kylie foi destituída do cargo pelo Parlamento Europeu por acusações de corrupção no Catar

  • Kylie foi uma das quatro presas na Bélgica
  • Advogado do político grego diz que ele nega irregularidades
  • Durante a batida policial, o dinheiro foi encontrado em uma mala em algum hotel
  • O papel do Parlamento Europeu como bússola moral do grupo está em jogo

ESTRASBURGO, 13 Dez (Reuters) – O Parlamento Europeu destituiu nesta terça-feira a parlamentar grega Eva Kyli de seu cargo legislativo sênior devido a alegações de que o Catar, anfitrião da Copa do Mundo, pagou subornos para influenciar a tomada de decisões.

Kylie, um dos 14 vice-presidentes do parlamento, é uma das quatro pessoas presas e acusadas na Bélgica, provocando indignação em Bruxelas e arriscando prejudicar a reputação da UE.

O caso, no qual a polícia encontrou um estoque de dinheiro, lança uma sombra sobre o Parlamento Europeu, que busca agir como uma bússola moral, criticando os abusos de direitos globais e responsabilizando os governos da UE por referências impróprias.

O Catar negou qualquer irregularidade.

O Parlamento agiu rapidamente para afrouxar os laços com Kylie, com 625 deputados votando a favor da mudança, com apenas um contra e duas abstenções.

“A integridade do @Europarl_EN é o primeiro e mais importante”, tuitou a presidente Roberta Metzola.

O advogado de Kylie na Grécia, Michalis Dimitrakopoulos, disse na terça-feira: “A inocência dela é a posição dela, posso te dizer isso”.

“Ele não tem nada a ver com o financiamento do Catar, clara e inequivocamente nada”, disse Dimitrakopoulos à Open TV em seus primeiros comentários públicos.

Vários países da UE, incluindo a Alemanha, disseram que a credibilidade da união de 27 países está em risco. Os países que enfrentaram críticas do conselho, incluindo a Hungria, membro da UE, disseram ter perdido a superioridade moral.

READ  Onda de calor queima a Europa; Os avisos de saúde são emitidos
Ali bin Samiq Al Marri, ministro do Trabalho do Catar, fala com Eva Kaili, vice-presidente do Parlamento Europeu da Grécia, durante uma reunião no Catar em 31 de outubro de 2022, nesta foto de mídia social. Estado do Catar via Twitter/Ministério do Trabalho – REUTERS

“O Parlamento Europeu não pode mais falar com credibilidade sobre corrupção”, escreveu o ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Szyjardo, no Facebook.

A polícia belga invadiu 19 residências e escritórios parlamentares de sexta a segunda-feira e apreendeu computadores, celulares e dinheiro, alguns dos quais foram encontrados em uma mala em um quarto de hotel.

Nenhum dos quatro acusados ​​foi formalmente identificado, mas o nome de Kylie vazou rapidamente para a imprensa.

Promotores belgas disseram suspeitar que um estado do Golfo tentou comprar influência em Bruxelas por mais de quatro meses. Embora nenhum estado tenha sido nomeado publicamente pelos promotores, uma fonte familiarizada com o caso disse que era o Catar.

Vários legisladores europeus pediram que Kylie se demitisse.

“Dado o nível de corrupção, isso é o mínimo que esperamos dela”, disse o eurodeputado Manon Aubry, copresidente do grupo de esquerda.

Manfred Weber, do conservador Partido Popular Europeu, disse: “Nossos colegas no Parlamento Europeu estão profundamente chocados. Esses desenvolvimentos refletem um fardo pesado.”

As autoridades gregas congelaram os bens de Kylie em seu país natal na segunda-feira, enquanto o partido socialista grego PASOK disse que iria expulsá-la de suas fileiras.

Kylie, de 44 anos, eurodeputada socialista, está entre os jovens aspirantes a políticos gregos que emergiram da debilitante crise da dívida que abalou a Grécia de 2010 a 2015.

Reportagem adicional de Phil Blenkinsop, Karolina Tagaris, Clement Rossignol, Max Schwarz, Lefteris Papatimas, Michele Kambas; Por Ingrid Melander; Edição por Arun Koiyur, Edmund Blair e Crispian Palmer

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.