Meta, controladora do Facebook, encerrará ação judicial da Cambridge Analytica em US$ 725 milhões

23 Dez (Reuters) – Meta Platforms Inc, dona do Facebook (META.O) A gigante da mídia social concordou em pagar US$ 725 milhões para encerrar uma ação coletiva que a acusa de permitir que terceiros, incluindo a Cambridge Analytica, acessem as informações pessoais dos usuários.

A solução proposta, expressa em um arquivado no tribunal Ainda na quinta-feira, o Facebook encerrará um processo de longa duração que foi revelado em 2018 e que permitia que a consultoria política britânica Cambridge Analytica acessasse dados de 87 milhões de usuários.

Os advogados dos demandantes disseram que o acordo proposto é o maior já alcançado em uma ação coletiva de privacidade de dados nos Estados Unidos e o máximo que a Meta já pagou para encerrar uma ação coletiva.

“Este acordo histórico proporcionará um alívio significativo para a classe neste caso complexo e inovador de privacidade”, disseram Derek Loeser e Leslie Weaver, principais advogados dos queixosos, em uma declaração conjunta.

Meta se declarou inocente como parte de um plano de acordo sujeito à aprovação de um juiz federal em San Francisco. A empresa disse em um comunicado que o acordo foi “no melhor interesse de nossa comunidade e acionistas”.

“Nos últimos três anos, renovamos nossa abordagem de privacidade e implementamos um programa abrangente de privacidade”, disse Meta.

A Cambridge Analytica, agora extinta, trabalhou para a bem-sucedida campanha presidencial de Donald Trump em 2016 e acessou informações pessoais de milhões de contas do Facebook para fins de definição de perfil e direcionamento de eleitores.

O logotipo do grupo empresarial Meta Platforms é visto em Bruxelas, Bélgica, em 6 de dezembro de 2022. REUTERS/Yves Herman

A Cambridge Analytica obteve essas informações sem o consentimento dos usuários de um pesquisador que permitiu que o Facebook usasse um aplicativo em sua rede de mídia social que coletava dados de milhões de usuários.

READ  Dois morreram e pelo menos 44 ficaram feridos no que ficou conhecido como Furacão Michigan, que destruiu casas e empresas

O escândalo da Cambridge Analytica gerou investigações do governo sobre suas práticas de privacidade, ações judiciais e uma investigação de alto nível no Congresso dos EUA, na qual o CEO da Meta, Mark Zuckerberg, foi interrogado por legisladores.

Em 2019, o Facebook concordou em pagar US$ 5 bilhões para encerrar uma investigação da Federal Trade Commission sobre suas práticas de privacidade e alega que a US Securities and Exchange Commission enganou os investidores sobre o uso indevido de dados do usuário.

As investigações dos procuradores-gerais do estado estão em andamento e a empresa está lutando contra uma ação do procurador-geral de Washington, DC.

O acordo de quinta-feira resolveu amplamente as reclamações de usuários do Facebook de que a empresa violou várias leis federais e estaduais ao permitir que desenvolvedores de aplicativos e parceiros de negócios coletassem seus dados pessoais sem seu consentimento.

Os advogados dos usuários acusaram o Facebook de induzi-los a pensar que poderiam manter o controle sobre os dados pessoais, quando na verdade permitiu que milhares de estranhos dispostos a acessá-los.

O Facebook argumentou que não tem nenhum interesse legítimo de privacidade nas informações que seus usuários compartilham com amigos nas redes sociais. Mas o juiz distrital dos EUA, Vince Sapria, chamou essa visão de “grosseiramente errada” e permitiu que o caso avançasse em 2019.

Reportagem de Nate Raymond em Boston; Edição por Muralikumar Anantharaman

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.