Microsoft faz ‘compromisso de 10 anos’ para trazer Call of Duty para os consoles da Nintendo

Após a aquisição da Activision Blizzard, a Microsoft assumiu oficialmente um “compromisso de 10 anos” para trazer Call of Duty para os consoles da Nintendo.

O chefe do Xbox, Phil Spencer, compartilhou a notícia no Twitter, confirmando que a Microsoft continuará a oferecer títulos de Call of Duty no Steam mesmo após o término do acordo.

A última vez que um grande título de Call of Duty esteve em um console Nintendo foi Call of Duty: Ghosts de 2013, que chegou ao Wii U. Desde então, as franquias da Nintendo ficaram para trás quando o assunto é vendas. Proprietários de esportes de todos os tempos.

Em outubro de 2022, Spencer afirmou que queria ver Call of Duty no Switch e que o objetivo do Xbox era “tratar Call of Duty como Minecraft”. Agora parece que esse plano está em movimento.

A notícia chega em um momento em que muitos olhos estão voltados para o acordo da Microsoft e da Activision com a Blizzard, e muitos estão se concentrando no que a fusão significa para o futuro de Call of Duty no PlayStation. Spencer disse que Call of Duty será lançado no PlayStation até que o PlayStation seja lançado, e surgiram relatos de que a Microsoft manterá a Sony em um acordo semelhante de 10 anos na plataforma.

Call of Duty é um dos títulos mais populares neste acordo, já que poucos estão preocupados com isso e outros títulos AAA semelhantes sendo bloqueados na mesma plataforma que reduziriam os benchmarks. A Microsoft negou essas alegações e muitos de seus comentários foram públicos.

READ  Donald Cerrone está se aposentando do MMA após derrota no UFC 276

“Continuaremos a perseguir a Sony e a Tencent no mercado após o fechamento do acordo, e a Activision e o Xbox juntos beneficiarão jogadores e desenvolvedores e tornarão o setor mais competitivo”, disse o porta-voz da Microsoft, David Goody.

O acordo da Microsoft e da Activision com a Blizzard está atualmente sob revisão pela FTC e reguladores na Europa e no Reino Unido. Os dois lados têm até julho de 2023 para concluir o acordo ou enfrentar uma renegociação do acordo.

Temos uma dica? Quer discutir uma história em potencial? Enviar um email a [email protected].

Adam Pankhurst é redator de notícias da IGN. Você pode segui-lo no Twitter @AdamBankhurst E em tração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.