Portal Tudo - tudo.com.vc

Geral

Fumaça de cigarro pode propagar coronavírus?

Fumaça de cigarro pode propagar coronavírus?
  • Compartilhe

O tabagismo é um motivo de preocupação às agências de saúde na atual pandemia do novo coronavírus, já que os efeitos do cigarro no corpo geram riscos em casos de COVID-19, a doença do novo coronavírus.
 
Porém, quando o assunto é cigarro e coronavírus, muitas dúvidas pairam sobre o tema: a fumaça do cigarro carrega o SARS-CoV-2? Que tipo de complicações um tabagista está suscetível a ter caso contraia o vírus?
 
A população como um todo deve atentar-se à contaminação pelo novo coronavírus, mas os idosos e as pessoas imunodeprimidas (como os portadores de Adis ou em tratamento quimioterápico) ou com comorbidades como diabetes, hipertensão, doenças cardíacas e pulmonares, câncer e asma constituem o chamado grupo de risco, que é mais suscetível a desenvolver complicações em caso de contágio.
 
Os tabagistas, seja de cigarros tradicionais ou eletrônicos, cachimbos, charutos ou narguilés, também são mais sensíveis ao vírus.
 
“Fumantes possuem agravos pulmonares e o maior risco de óbito perante à contaminação do COVID-19”, diz Milton Monteiro Júnior, enfermeiro infectologista do Hospital HSANP, especialista e membro da equipe de controle de infecção hospitalar.
 
Coronavírus é transmitido pela fumaça do cigarro?
 
Segundo Monteiro Júnior, o SARS-CoV-2 não é transmitido pela fumaça de cigarros (tradicionais ou eletrônicos), cachimbos, charutos ou mesmo narguilés.
 
O enfermeiro infectologista explica que não existe perigo em encontrar rastros do coronavírus expelidos pelo sistema respiratório durante o ato de expelir a fumaça. Isso porque há o aquecimento [do trato respiratório] para que a fumaça seja produzida, e posteriormente expelida, o que ajuda a eliminar os risco de transmissão.
 
E pelo fumo compartilhado?
 
 
Um hábito bastante comum entre os jovens é o fumo compartilhado de narguilé e os cigarros eletrônicos e, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), ele pode ajudar a espalhar o coronavírus, já que diversas pessoas acabam usando a mesma piteira, que pode conter gotículas respiratórias.
 
“Qualquer superfície que entra em contato com mucosas e peles contaminadas oferece risco de proliferação do vírus, visto que este agente etiológico sobrevive por longo tempo em superfícies inanimadas em que não são realizadas desinfecções", reforça Monteiro Júnior.
 
A desinfecção de aparelhos de fumo, segundo o especialista, pode ser feito com álcool 70% ou mesmo com produtos à base de cloro.
 
Como parar de fumar?
A recomendação para interromper o tabagismo, desse modo, é indicada sempre - independente da pandemia.
 
Embora o momento possa aumentar ainda mais o estresse típico que a interrupção do tabagismo desperta em dependentes, Monteiro Júnior enfatiza que persistir neste propósito pode ser uma medida benéfica e que muitos recursos de atendimento psicológico ou médico estão disponíveis para quem pensa em parar de fumar.
 
É o caso de profissionais de psicoterapia que começaram o atendimento pela internet para contornar as sessões presenciais durante a quarentena.
 
Por fim, Monteiro Júnior também lembra que, além das questões comportamentais, não devemos nos esquecer dos hábitos de higiene pessoal e educacional. “Afinal, a saúde do mundo está prejudicada e em atenção.”
 
Fonte: Vix 

Autor

Ver todos os posts

Redação tudo.com.vc

Comentários

Anuncie Aqui

Mais Lidas

Assine nossa newsletter

Conteúdo direto para você

Faça parte da nossa lista de transmissão!

11 97066-9728

Cadastre o nosso número em seus contato, envie uma mensagem pra gente e receba as últimas notícias diretamente em seu celular.