Viagem ao Oriente Médio: Biden enfrenta um dia crítico de reuniões observadas de perto na Cisjordânia e na Arábia Saudita.

Após essa reunião, Biden voa diretamente para a Arábia Saudita de Israel. Lá, ele deve realizar as tão esperadas reuniões bilaterais Incluindo o rei saudita Salman e seus conselheiros Príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. A Casa Branca confirmou na quinta-feira que o rei saudita estará apenas cerca de 30 minutos durante as reuniões bilaterais na noite de sexta-feira, de acordo com a programação de Biden. Devido à saúde do rei, esperava-se que o presidente e o príncipe herdeiro continuassem sua reunião após a partida do rei.

Os Estados Unidos acusaram o príncipe herdeiro de aprovar o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018 por meio de um relatório da CIA.

As interações do presidente com o príncipe herdeiro serão fortemente examinadas – especialmente sobre como ele cumprimenta MBS e se Biden aperta sua mão. A Casa Branca procurou minimizar qualquer saudação entre Biden e MBS.

“Nós nos concentramos em reuniões, não em cumprimentos”, disse um executivo sênior a repórteres.

O funcionário disse: “O presidente cumprimenta os líderes como ele faz. E não há regras especiais para um líder ou outro. Então eu sei que temos um pouco de folga nesta questão, mas é verdade para aqueles de nós que trabalham. — Nós nos concentramos na essência das reuniões, nas saudações específicas.” Não. O presidente visita cerca de uma dúzia de líderes e os cumprimenta como de costume.”

Os apertos de mão de Biden – ou a falta deles – estavam sob o microscópio A viagem ocorre depois que a Casa Branca disse que o presidente quer limitar o contato com outras pessoas em meio à disseminação do subtipo transmissível da variante ômícron do Covid-19. Biden quebrou notavelmente essa diretriz em várias ocasiões nos dois dias desde sua chegada a Israel, oferecendo socos, aumentando a especulação de que a diretiva da Casa Branca era uma desculpa elaborada para Biden evitar apertar a mão do príncipe herdeiro. .

Biden na Arábia Saudita

Viagem a Jidá O assassinato de Khashoggi tem sido uma pedra no sapato da Casa Branca desde que entrou em vigor no início deste ano, com base na promessa de campanha do presidente de tornar a nação um país “pária”. Biden parou por um momento na quinta-feira Ele prometeu levantar o assassinato de Khashoggi diretamente com os líderes na Arábia Saudita, dizendo que “sempre” falaria sobre os direitos humanos e que suas opiniões sobre o assassinato eram “absolutamente, positivamente”. Autoridades dos EUA disseram à CNN mais cedo Espera-se que Biden traga Khashoggi com MBS durante a viagem.

Durante a noite, a Arábia Saudita confirmou um anúncio esperado de que seu espaço aéreo seria aberto para companhias aéreas israelenses. Observando que ele se tornaria o primeiro presidente dos EUA a voar de Israel para a Arábia Saudita, Biden elogiou a “decisão histórica” ​​que se seguiu a “meses de diplomacia constante”.

A medida ocorre em meio aos altos preços do gás e à inflação generalizada nos EUA e em todo o mundo. A invasão russa da UcrâniaO presidente e outras autoridades descartaram o rico suprimento de petróleo da Arábia Saudita como a principal motivação para a viagem.

As reuniões com a liderança saudita se concentrarão no fortalecimento do cessar-fogo em andamento no Iêmen, na cooperação tecnológica, incluindo 5G, energia limpa, infraestrutura global e direitos humanos, e na discussão do fornecimento global de energia, disse um alto funcionário do governo.

READ  Pelosi deve visitar Taiwan, Taiwan e autoridades dos EUA

Mas o funcionário sugeriu que os EUA, a Arábia Saudita e outras autoridades do Oriente Médio falariam sobre questões de segurança energética e que Biden se envolveria com líderes mundiais para reduzir os preços do gás.

“Dadas as condições atuais do mercado, acho que a conversa está realmente focada em como vemos as coisas? Como vemos os próximos seis meses, como podemos manter os mercados equilibrados para contribuir para o crescimento econômico contínuo? Nosso foco geral não é apenas dos sauditas, mas também de outros produtores”, disse o funcionário.

O funcionário acrescentou: “É claro que o presidente disse há meses que fará todo o possível para baixar os preços. Isso inclui a liberação de nossas próprias reservas estratégicas de petróleo. Isso inclui diplomacia com outros produtores. Produção doméstica”.

Biden na Cisjordânia

Mas antes de voar para a Arábia Saudita para a parte mais estressante de sua viagem, Biden teve uma série de compromissos em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia e vários anúncios de financiamento destinados a ajudar os palestinos.

Biden continuou a expressar seu apoio a um acordo entre duas nações, mas reconheceu que tal acordo “parece tão distante” e que “a plataforma para reiniciar as negociações não está madura neste momento”.

No entanto, ele também sugeriu que melhores relações entre Israel e o mundo árabe dariam impulso a um acordo entre israelenses e palestinos.

“Em um momento em que Israel está melhorando as relações com seus vizinhos em toda a região, acredito que podemos usar o mesmo impulso para revitalizar o processo de paz entre o povo palestino e os israelenses”, disse Biden.

Biden disse que a morte do jornalista palestino-americano Shireen Abu Aghle, que foi baleado durante uma operação militar israelense na Cisjordânia, foi uma “tremenda perda para o trabalho essencial de compartilhar a história do povo palestino com o mundo”.

READ  Rafael Nadal desiste das semifinais de Wimbledon com músculos do estômago rasgados

Biden fez comentários no Hospital Augusta Victoria, em Jerusalém Oriental, anunciando que está pedindo ao Congresso que aprove até US$ 100 milhões para a Rede de Hospitais de Jerusalém Oriental. O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, cortou US$ 25 milhões em financiamento planejado para a rede durante seu mandato.

“Parte do nosso compromisso é apoiar a saúde e a dignidade do povo palestino”, disse ele, apontando para o “pedágio difícil” da epidemia de Covid-19 no sistema hospitalar.

Ele continuou: “Trabalhando juntos, é minha oração que a América ajude a aliviar os encargos da dívida hospitalar, apoie melhorias de infraestrutura direcionadas e apoie as principais reformas no atendimento ao paciente que garantam a sustentabilidade financeira a longo prazo”.

As reuniões seguiram a sessão de quinta-feira com o primeiro-ministro israelense Yair Lapid, que disse que a visita do presidente na sexta-feira mostrou “seu compromisso com a força militar e diplomática de Israel” e “comoveu todo o país”.

Na manhã de sexta-feira, o presidente anunciou um adicional de US$ 201 milhões para a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo para apoiar os refugiados na Cisjordânia, Gaza, Jordânia, Líbano e Palestina. SíriaSegundo a Casa Branca.

Biden disse que Israel se comprometeu a trabalhar com os palestinos para acelerar a implementação de uma rede 4G em Gaza e na Cisjordânia, com o objetivo de expandir essa infraestrutura até o final do próximo ano.

“Reconstruir as relações com os palestinos que foram rompidos pelo governo anterior é uma prioridade para o presidente Biden”, disse o funcionário.

O funcionário disse que Biden dirá a Abbas que Israel concordou em aumentar o acesso à Ponte Allenby para que palestinos e outros tenham acesso 24 horas por dia, 7 dias por semana em setembro. Israel controla a única ponte pela qual os palestinos entram na Jordânia vindos da Cisjordânia.

READ  Rishi Sunak e Sajid Javid renunciaram ao governo de Boris Johnson

“Ele também anunciará medidas para construir apoio de base para a paz, incluindo o apoio à cooperação e intercâmbios profissionais na construção de confiança mútua entre os setores de saúde palestino e israelense”, disse o funcionário.

Os Estados Unidos fornecerão US$ 15 milhões adicionais em ajuda humanitária aos palestinos em resposta à insegurança alimentar exacerbada pela ocupação russa da Ucrânia.

Antes de partir para a Arábia Saudita, Biden visitou a igreja “para enfatizar seu apoio aos cristãos que enfrentam desafios na região”, disse o funcionário.

Kaitlan Collins da CNN contribuiu para este relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.